sábado, 17 de junho de 2017

Sobre o amor


Eles vivem juntos e esperam continuar juntos até que a morte os separe. Alguém pode achar que isto já ficou démodé, mas sinceramente, eles não estão nem aí para o quê os outros pensam deles. Eles continuam juntos! E juntos eles fazem muitas coisas. Eles pagam as contas, eles criam os filhos (agora os netos), eles cuidam das plantas, do cachorro e do coração um do outro. Eles visitam juntos os amigos e gostam de tomar um vinho juntos. Mas isso não é tudo, algumas coisas eles fazem separado. Ele gosta de música, toca religiosamente seu violão todos os dias.  Houve um tempo em que ele sonhou ter uma banda de rock. Mas isso foi antes de conhecê-la. Ela gosta de fotografia. Fica horas fotografando flores, árvores e aguardando o melhor instante do por do sol. Eles também não trabalham juntos. Cada um tem sua profissão, seu horário e seu dia de folga. Mas eles sempre dão um jeito de estarem juntos. E quando estão juntos é fácil perceber que estão felizes. 
Nem sempre dá tudo certo. Às vezes eles têm opiniões contrárias, às vezes eles discutem e pode ser que se distanciem um pouco para pensarem a sós. Mas eles sempre voltam a ficar juntos e fazem desse momento juntos o mais feliz de todos. 
Também tiveram tempos difíceis. Tempos escuros em que um teve que amar o suficiente para os dois. E não foi quando ele teve um câncer, nem quando eles perderam o filho, foi quando ele foi para a faculdade e descobriu a juventude de novo. Ele achou que a vida seria mais divertida sem ela. Em tempo viu que não era bem assim! 
Eles não são muito de fazerem declarações de amor. De fato, sobra pouco tempo para isso. Mas sou testemunha de que eles vivem o amor. 
Eles não são famosos, não tem um milhão de amigos e nunca saíram no jornal. Eles estão juntos há 37 anos e são o exemplo vivo de que o amor pode dar certo. 
Tudo bem que comigo foi diferente e certamente com você também. A vida não tem receita certa para o amor. Muitas vezes ele vem de onde a gente menos espera ou pode ser que ele chegue pela fresta mais estreita da nossa janela. É a história de cada um.
Contudo, sobre o amor e as formas de vivê-lo, as mais belas histórias de amor não são as que se vê nas novelas ou nos comerciais de margarina. Elas são reais e transitam entre nós sem que quase ninguém as perceba. O amor tem dessas simplicidades! 

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora Divinópolis e no JC Arcos com algumas modificações

Foto do meus acervo pessoal: Meus pais (Déco e Neusa) que no dia 12 de junho de 2017, fizeram 57 anos de noivado.


Olá pessoal,

Semana passada, enquanto eu caminhava apressada pelo centro e Divinópolis, um pessoa conhecida me parou e me falou de repente: “Dia dos namorados, vai escrever alguma coisa a respeito?”. De susto falei: “Vou, claro!”. E ele completou: “Então lembra de nós, os velhos namorados, os que já fizeram mais de 20 anos de namoro…” 
Ele falou e virou a esquina, nem me deu tempo de perguntar um pouco mais. Mas a dica dele serviu de insight e foi dela que eu escrevi o texto acima.
Muitas vezes, na correria dos dias, os velhos namoros nem são comemorados. Mas eles continuam ali, firme e forte como uma rocha. Eles, os verdadeiros namoros!
Boa semana pessoal, grande abraço e muito obrigada pelo seu tempo aqui no Palavras!

Leila Rodrigues




5 comentários:

  1. Ah! Como curti e cultivei nossos "velhos namoros"... Dezenas de anos juntos... Assim, muito semelhante ao que leio em sua crônica... 32 anos... namorando, criando filhos, estudando um ao outro sempre na busca de sermos felizes...
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Célia querida, é preciso reverenciarmos esse amor, o amor sem maquiagem, sem trilha sonora porém recheado de verdade! Parabéns pelos seus 32 anos de namoro!
      E mais uma vez obrigada pelo seu carinho aqui no Palavras!
      Abs

      Excluir
  2. Que lindo texto, Leila! Desde o começo sabia que eram seus pais...Ninguém conta o amor dessa maneira, a não ser que os conheça muito...
    Beijo grande, saudades!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Tais!

      Saudade de você, das suas crônicas. Fiquei uns dias fora, mas vou te visitar em breve. Bja querida

      Excluir
  3. Parabéns pelo lindo texto e para eles que são um exemplo lindo! Aqui em casa, com 50 anos de namoro( 49 de casados e 2 de namoro/noivado) posso falar que isso existe mesmo e é lindo! bjs, chica

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço