domingo, 21 de maio de 2017

Amor esquisito



Lá vem você de novo me dizer o que eu devo ou o que eu não devo fazer! É sempre assim! Você sempre tem certeza que tem a receita certa para mim. Toda dia você me diz o que fazer. Você  me diz o que vestir, o que comer e aonde ir. Todos os dias!
Todos os dias você me fala se eu escolhi a roupa certa, se eu comi muito ou não comi nada. Você corrige meus erros de português quando eu estou falando, você conta de novo, claro, e de um jeito melhor, a história que eu estou contando, você sabe o jeito melhor de estacionar o carro e você me lembra todas as vezes que eu esqueci a luz acesa. Eu não sei o que seria de mim sem você! 
Você prepara a comida ideal para mim de segunda a segunda, todas as refeições; você guarda as minhas roupas e arruma minhas gavetas do seu jeito. Você escolhe o que eu devo vestir. Você sempre escolhe onde vamos jantar, o que vamos comer, onde serão nossas férias, qual será nossa programação em Guarapari, que quadro "vamos" colocar na parede, qual supermercado "faremos" as compras este mês e qual a marca da TV que vamos comprar em janeiro do ano que vem. Olha que coisa! Você faz tudo para mim! 
Os amigos te elogiam e fazem questão de me dizer que você é muito boa para mim e eu sempre confirmo com a cabeça que sim! Você é ótima! Você é uma excelente mãe e uma esposa exemplar. Você é amorosa, dedicada e prestativa. Muito prestativa! Aliás eu já nem sei mas o que é mesmo ser prestativo. Essa palavra ficou confusa para mim! Vamos voltar a falar de você. Você me proporciona uma economia gigantesca. Você me economiza viver! Eu não preciso pensar, eu não preciso decidir, eu não preciso escolher, eu não preciso nada a não ser te obedecer. E o que mais me impressiona nisso tudo é que eu nunca te pedi para fazer nada disso. Você decidiu que seria assim! É muito amor envolvido! Um amor esquisito que não se vê nos romances nem nos poemas. 
Eu queria muito, mas muito mesmo que um dia você prestasse atenção em mim. Não para falar que eu estou gordo, porque isso você já fala todo dia, nem para reparar se o meu corte de cabelo ficou bom, isso você sempre faz também. Eu gostaria muito que você soubesse que mesmo ocupando esta posição medíocre de figurante eu sou um homem de muita sorte,  na minha cerveja e no meu time você nunca interferiu. Ah! Eu sou uma pessoa feliz. 
Leila Rodrigues

Imagem do clássico filme  E o vento levou de 1940 com Vivien LeighClark Gable
Publicado no Jornal Agora Divinópolis e no JC Arcos

Olá pessoal,

Uma vez ouvi que, em se tratando de relacionamentos, ninguém é totalmente bom ou totalmente ruim e também ouço de vez em quando que "cada caldeirão tem a tampa que lhe cabe”. Mas tenho amigos e amigas tristes, que amam seus companheiros mas se sentem completamente amarrados pelo controle do outro. 
Torço para que, quem está preso a alguém consiga se libertar e quem está controlando consiga se desfazer desse fardo, porque viver controlando o outro deve ser pesado demais.
E que juntos consigam achar um jeito de ser feliz!
Grande abraço


Leila Rodrigues

2 comentários:

  1. A que pequenez foi reduzida a "felicidade", hein?! Sendo assim, uma pessoa teleguiada, parece mais um robô que ser humano com sentimentos, vontades e personalidade. É preciso mesmo cortar "esse cordão umbilical"...
    Sua crônica, com certeza fará muitos casais, muitas mães e/ou pais refletirem sobre "o relacionar-se". Parabéns!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Já quase vivi um amor esquisito, confesso não dei conta saí fora. Amei a crônica Leila me fez refletir também sobre mim... Parabéns! Suas crônicas são ótimas.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço